sábado, 11 de Outubro de 2008

Hernias Discais

Os discos da coluna, chamados discos intervertebrais, são estruturas finas e achatadas que servem de “amortecedores” entre as vértebras. Cada disco é feito de uma parte interna gelatinosa e macia cercada por um revestimento externo duro e fibroso. Esta estrutura permite ao disco ser firme o bastante para manter o espaço entre as vértebras, mas macio o bastante para comprimir quando a espinha se curva durante uma flexão ou compressão, apoiando e mantendo a coluna flexível.
Em algumas pessoas, principalmente adultos de meia-idade, o revestimento externo e duro de um disco desenvolve uma área de fraqueza ou uma pequena fissura. Quando isto acontece, parte do interior do disco pode ser empurrada para fora de sua posição normal (hérnia), produzindo uma condição chamada hérnia de disco. Se a hérnia de disco comprimir os nervos próximos do canal espinhal, isto pode causar uma variedade de sintomas relacionados aos nervos, incluindo dor, diminuição da sensibilidade e fraqueza muscular. Nos casos mais graves, uma hérnia de disco pode comprimir os nervos que controlam o intestino e a bexiga, causando incontinência urinária (falta de controle da urina) e fecal (perda do controle das fezes). Os especialistas não entendem completamente por que os discos herniam. A maioria deles atribui esta condição a uma combinação dos fatores:
o Discos envelhecidos – A hérnia de disco é rara em pessoas jovens, mas é comum entre pessoas acima dos 35 a 55 anos de idade. De todos os fatores responsáveis pela hérnia de disco, envelhecer é provavelmente o mais importante. Com a idade, a camada exterior do disco parece lentamente se degenerar, provavelmente por causa de décadas de postura vertical e da flexão das costas.
o Fatores genéticos - Em algumas famílias, vários parentes sofrem de hérnia de disco, considerando o fato de que outras famílias não são afetadas nunca. Se a hérnia de disco é comum em uma determinada família, ela pode ter um começo extraordinariamente precoce nestas pessoas, até mesmo antes dos 21 anos de idade. Estudos estão começando a identificar os genes específicos ligados a formas herdadas da hérnia de disco.
o Fatores de risco individuais – Uma pessoa pode ter um risco aumentado de ter hérnia de disco se trabalhar em uma função ou praticar um esporte que envolva o levantamento de peso ou o excesso de movimentos de dobra ou giro da coluna.
Há três áreas distintas da coluna vertebral onde uma hérnia de disco pode acontecer:
o A região cervical - entre as vértebras do pescoço,
o A região torácica - entre as vértebras da parte superior das costas, próximo das costelas,
o A região lombar - entre as vértebras na parte mais baixa das costas, sobre a bacia.
A hérnia de disco é muito comum na região lombar. É relativamente rara na região torácica onde ela responde por uma em cada 200 ou 400 casos de hérnia de disco.
Quadro Clínico
O primeiro sintoma de uma hérnia de disco normalmente é a dor na área do disco afetado. Alguns pesquisadores acreditam que esta dor é um sinal que a camada exterior e dura do disco está lesada ou debilitada, não necessariamente que a parte interna já tenha herniado. Se a camada interna hernia e comprime um nervo próximo, os sintomas resultantes variam, dependendo do local da hérnia de disco:
o Na região cervical - Pode haver dor no pescoço, ombros, na escápula (“pá”), braços ou no tórax, associada a uma diminuição da sensibilidade ou de fraqueza no braço ou nos dedos. Se a dor é concentrada no tórax e no braço, pode imitar a dor torácica típica do infarto do coração. Ocasionalmente, pode acontecer aumento da freqüência da urina e dores de cabeça.
o Na região torácica – Os sintomas tendem a ser inespecíficos, incomodando durante muito tempo. Pode haver dor na parte superior ou inferior das costas, dor abdominal ou dor nas pernas, associada à fraqueza e diminuição da sensibilidade em uma ou ambas as pernas. Algumas pessoas afetadas também reclamam de incontinência (perda do controle) intestinal ou da bexiga.
o Na região lombar - Muitas pessoas sofrem dor nas costas durante anos, intermitente e moderada, antes de ter uma crise (levantando peso, dobrando ou torcendo a coluna, súbita e abruptamente), agravando seus sintomas a ponto de procurarem ajuda do médico. Pode-se também ter uma crise sem um fator ativador identificável. Na maioria das pessoas com uma hérnia de disco lombar, a dor forte atrás da perna é a principal queixa. Esta dor é chamada ciática porque vem da pressão no nervo ciático. Este nervo normalmente começa na parte mais baixa das costas, então se espalha pelas nádegas e corre em direção à coxa e à perna. A dor ciática fica tipicamente pior se o paciente tosse, espirra, se abaixa ou movimenta as costas de forma súbita. Freqüentemente a dor ciática alivia com o repouso e pode piorar ao dirigir ou carregar peso. Além disso, pode ocorrer diminuição da sensibilidade, formigamento ou fraqueza muscular nas nádegas ou na perna do mesmo lado da dor. Em formas mais raras e mais graves de hérnia de disco lombar, o nervo fica mais extensivamente comprimido. Se isto acontecer, sintomas adicionais podem ocorrer, incluindo dor anal, perda do controle os intestinos e da bexiga, e formigamento ao redor da área genital, nádegas ou parte de trás das coxas. Na maioria das pessoas, a dor nas costas melhora gradualmente dentro de quatro a seis semanas de tratamento.
Aproximadamente 60% das pessoas respondem a terapia conservadora dentro de uma semana, e 90 a 98% respondem dentro de seis semanas. A cirurgia tem uma expectativa de sucesso elevada quando a IRM ou a TC demonstram que a causa dos sintomas pode ser corrigida.


E NO FUNDO SEJA O QUE DEUS QUISER...MAS QUE SEJA TUDO DO MELHOR.











Sem comentários: